Extractivismo e financeirização – PORTUGUÉS


Download file   

Como a Vale S.A. para que Mariana e Brumadinho não voltem a acontecer?

Coordenação e edição:: Observatori del Deute en la Globalització (ODG)
Autor: Alfons Pérez López
Local e data de publicação: Barcelona, septiembre 2020

Esta publicação é o resultado da colaboração entre o Movimento dos Atingidos e Atingidas por Barragens (MAB) e o Observatório da Dívida na Globalização (ODG), com o objetivo principal de analisar a influência da dimensão financeira na empresa Vale SA e suas consequências na atividade produtiva e na vida das trabalhadoras e das comunidades.

Vale, S.A. é a maior empresa multinacional de mineração do Brasil e é líder mundial em extração de ferro e a segunda em níquel. Também extrai manganês, cobre, carvão e produz pelotas de ferro, ferroligas e fertilizantes químicos. Está presente em 26 países e opera a partir de uma cadeia que integra mineração, logística e energia.

Vale S.A. está em uma fase de reconversão que a posicionará como seus concorrentes internacionais no setor extrativo. A fase de privatização, 1997-2017, foi o primeiro passo para transformá-la em uma empresa fora do controle do estado. Nesta segunda fase da financeirização, a empresa embarca no caminho de entrar nas disciplinas macropolíticas das instituições, instrumentos e mercados financeiros.

Em sua história recente, foi responsável por dois eventos trágicos: a ruptura de uma barragem com resíduos da mineração de ferro em Mariana, Minas Gerais (Brasil), em 25 de novembro de 2015, que causou 19 mortes, 15 pessoas desaparecidas e graves danos ambientais ao rio Doce e a ruptura, no dia 25 de janeiro de 2019, da barragem de Brumadinho, também em Minas Gerais, que resultou em mais 272 vítimas.

Nesse sentido, a parte central deste estudo consiste em analisar a possível influência do estágio de financeirização da empresa na proliferação de eventos como Mariana e Brumadinho. Também se estudam os impactos financeiros derivados do COVID-19, que já se traduzem nos resultados do primeiro trimestre e que podem comprometer a obrigação de reparação abrangente que a Vale deveria ter implantado após Mariana e Brumadinho, assim como a prevenção de novos casos.

De acordo com o MAB, até hoje, os danos causados às vítimas e às comunidades afetadas estão longe de serem cobertos, e não há garantias de que não haja novos rompimentos de barragens, como as de Macacos, Barão de Cocais e Ouro Preto.

 

 

Com o apoio de:

 

 

 

 

 

The contents of this document are the sole responsibility of the Observatori del Deute en la Globalització and do not necessarily reflect the opinion of its funders.

Download file   

Related posts

Why we shouldn’t pay the Debt?

Maadix

Ploughing through the meanders in Food Speculation

Maadix

The risks of Public-Private Partnerships: the case of Renace in Guatemala

emma